Arqueologias da Hospitalidade | Entrevista a Rachael Kiddey

Quando as pessoas são forçadas a migrar, os objetos que levam consigo absorvem as histórias desse trajeto.

Por Alícia Gaspar|@aliciacgaspar|

Este trabalho foi originalmente publicado no BUALA, em janeiro de 2021. É a segunda de três entrevistas integradas no projeto “Arqueologias da Hospitalidade”.

Esta entrevista surgiu de um projeto apresentado na Culturgest chamado “Arqueologias da Hospitalidade” que visa apresentar a vida dos migrantes de uma perspetiva arqueológica, apresentando-os como humanos e não como ideias pré-concebidas de vítimas frágeis que nos foram transmitidas pelos meios de comunicação social. Este projeto conta com 3 investigadores, que são Yannis Hamilakis, Rachael Kiddey e Rui Gomes Coelho. Na segunda de três entrevistas, falamos com Rachael Kiddey sobre o impacto de sermos forçados a fugir do nosso país.

Como surgiu o seu interesse pelo tema da migração?
Eu tirei o meu doutoramento na Universidade de York e terminei-o em 2014, trabalhei com os sem-abrigo no Reino Unido, observando a cidade de Bristol e York e depois vendo para onde vão os sem-abrigo, como usam a cidade, como encontraram abrigo.

Quando terminei o meu doutoramento, os efeitos da guerra Síria eram realmente percetíveis e em 2015 havia tantas pessoas a fugir da guerra no Afeganistão e na Síria que parecia apenas uma progressão natural dos sem-abrigo para uma deslocação mais ampla. Como é que as pessoas lidam com esta situação quando não têm onde estar?

De onde surgiu a ideia para o seu projeto?
Sou uma arqueóloga que se concentra na arqueologia contemporânea, o que significa utilizar métodos e teoria arqueológica e aplicá-los à cultura e sociedade contemporâneas. Foi uma ideia de há mais de quarenta anos atrás com um projeto chamado “The Tucson Garbage Project” do Dr. William Rathje. Ele estudou centrais de lixo e perguntou às pessoas o que deitavam fora para depois comparar o que as pessoas pensavam que deitavam fora com o que na realidade deitavam fora. Todo este estudo foi para mostrar que as pessoas desconhecem muito o desperdício. Foi o início de uma combinação da arqueologia como instrumento útil à sociedade e não apenas interessante e sobre o passado profundo. Esta ideia não foi realmente bem sucedida nos anos 70, mas no final dos anos 90 muitas pessoas estavam a aplicar métodos e teorias pós-modernistas e pós-estruturalistas, de modo que a ideia de que se podia aplicar os métodos arqueológicos e aplicá-los à sociedade moderna teve o seu início nos anos 2000.

Treinei como arqueóloga histórica, olhando para o colonialismo, a expansão do século XVIII da Europa para o resto do mundo, e assim por diante; mas quando fiz o meu mestrado estava muito interessada na relação entre arqueologia e património, por um lado a arqueologia como sendo o estudo do passado, ou o passado profundo, ou o mais recente e, por outro lado, o património como processo social, algo que fazemos e não algo que temos.

Eu estava a trabalhar em Bristol, que é uma daquelas cidades onde há muitos pensamentos anarquistas, antiestabelecimento, muito esquerdista e anticapitalista, porque eu estava muito envolvida em tudo isso, uma das coisas que vi antes da crise bancária em 2008 foram estes grandes anúncios em todo o lado, com frases como, “Compre este apartamento por apenas 2.000 libras” e eu estava a olhar à minha volta a pensar que ninguém que eu conheça poderia pagar lugares como aquele. Também com esta crise veio um fluxo maciço de sem-abrigo.

Enquanto trabalhava com os sem-abrigo escolhia métodos antropológicos, costumava perguntar-lhes “Para onde vão? Como é que fazem o vosso abrigo? Como encontram as coisas de que necessitam para sobreviver?”, o meu objetivo era combinar antropologia, etnografia e arqueologia, ao mesmo tempo que me concentrava na cultura material propriamente dita. Esse processo foi muito colaborativo e muitas pessoas sem-abrigo começaram a mostrar interesse no estudo, o que era algo que eu não esperava, mas que acabou por mostrar às pessoas e a si próprios que eram úteis e faziam parte da sociedade.

Este projeto de migração tem que ver com trabalhar em conjunto, e contar juntos uma história demonstrando que podemos mudar a forma como se pensa nos refugiados e nos migrantes, que eles não vêm para levar os nossos empregos ou viver do Estado, na verdade trazem consigo todo o tipo de competências e muita cultura, são pessoas muito úteis que contribuem para a sociedade. O objetivo de trabalhar com eles ao utilizar objetos é tentar compreender como a cultura material causa impacto na reconstrução destes povos num novo lugar.

Disse que não vê as pessoas como um objeto de estudo, mas sim como produtores de conhecimento. Poderia explicar-nos a sua perspetiva sobre esse assunto?
Acredito muito firmemente numa hierarquia plana, por isso não gosto de trabalhar numa estrutura onde sou a Dra. Rachel Kiddey da Universidade de Oxford e tu és apenas um refugiado. Trabalho com pessoas como colega, como igual e depois o que descubro é que as pessoas com quem trabalho têm outras aptidões que trazem diferentes tipos de conhecimentos, por exemplo o que significa ser Sírio, experiências sobre conflitos, diferentes culturas materiais e como sobreviver, todos estes conhecimentos combinam-se e depois contamos a história juntos. Vejo isto como uma forma de ativismo social.

Diria que se adapta na comunidade deles, em vez de os forçar a adaptarem-se ao seu estudo, certo?
Exatamente isso. Bill Caraher escreveu um artigo fantástico chamado “Arqueologia Lenta”, onde a ideia é que os projetos de investigação são concebidos com as pessoas desde o início, todo o caminho desde de si vai com um ritmo que é o certo para toda a equipa, não para os financiadores ou para a universidade.

Porque é que optou pela análise arqueológica e ativista? O que a distingue do resto?
Estou muito preocupada com a retórica que gira em torno da migração.

Faço parte de um projeto localizado no Arizona com outros doze arqueólogos e estudamos todo o passado das migrações, desde o início até onde estamos agora, uma das coisas que a nossa investigação tenta mostrar é que os humanos migraram desde sempre e por todo o planeta.

Todas as culturas têm alguma história de viagens ou migrações. Ser humano é migrar, e é exatamente isso que tentamos mostrar com os nossos dados.

Rachael Kiddey, investigadora em arqueologia na Universidade de Oxford

Nos últimos 500 anos, com o advento do capitalismo, temos a política a colocar fronteiras e o desenvolvimento dos Estados-nação, o que leva ao fortalecimento das fronteiras. Portanto, sim, sinto-me muito preocupada com esta retórica que gira em torno da migração, sinto que cada vez mais falamos dos migrantes como se eles não fossem humanos, falamos da migração como se fosse uma inundação e todas estas palavras horríveis que contribuem para o racismo.

A razão pela qual lhe chamo ativista é porque acredito que temos de fazer o que pudermos para permitir que as pessoas que são migrantes contem as suas próprias histórias de uma forma que não as faça vítimas. Temos dois pontos de vista, o humanitário, que pretendem fazer o bem, mas muitas vezes transmite a ideia de que estas pessoas são vítimas o que não as ajuda em nada, e depois o da securitização que é exatamente o oposto e tenta excluir ainda mais estas pessoas. Algures no meio há algo mais humano que tenta compreender estas pessoas, imagine se tivesse de fugir da sua casa e só pudesse levar consigo uma coisa, como continuaria a ser você mesmo? Para além de fugir e experimentar um conflito traumático, aparece num lugar que é suposto ser civilizado e é tratado como uma abominação.

Este projeto está prestes a tentar humanizar os migrantes e torná-los indivíduos e pessoas reais, nossos amigos, nossos vizinhos.

Ser forçado a fugir com apenas um objeto está no centro do seu projeto. Pode explicar-nos porque decidiu apresentar a t-shirt de Hassan?
Escolhi-a particularmente porque, como artefacto, essa t-shirt situa-se entre o contexto de uma longa história de refugiados e de cultura material migrante. A minha própria família era holandesa Huguenot e no final do século XVIII vieram para Inglaterra, temos algumas cartas escritas em flamengo a perguntar: “Chegaste bem? Como está a Inglaterra” e algumas outras famílias da diáspora Huguenot chegavam a guardar joias no interior das suas roupas e vê-se a mesma coisa com pessoas a fugir da Alemanha nazi, as pessoas escondem os seus documentos ou dinheiro dentro de um bolso secreto para que possam sempre ter algo para os iniciar quando chegam ao seu destino.

T-shirt de Hassan. No texto colocado sobre a foto lê-se "Foi esta t-shirt que me trouxe até aqui".

T-shirt de Hassan

A t-shirt de Hassan como artefacto é uma versão do século XXI exatamente da mesma coisa, no sentido de precisar de contrabandear algum dinheiro e passaporte, mas também a acho extremamente poderosa na medida em que a sua mãe a fez para ele, e eu tenho dois meninos pequenos e só posso imaginar o que ela deve ter passado enquanto lhe fazia a t-shirt.

Sim, é apenas uma t-shirt cinzenta, mas não é, tem significado, e pode ser considerada um veículo para um amor materno, bem como uma metáfora para todo o êxodo da Síria. Este objecto mostra a crua realidade de ter de escapar à guerra. É tristemente familiar, ouço-o repetidamente de quem quer que venha pela via terrestre, muitos dos quais não a concluem. O objeto não se trata apenas de Hassan, mas representa as famílias deixadas para trás.
Esta t-shirt simboliza que o processo de migração não tem um fim verdadeiro, uma vez que encontram segurança, se a encontrarem, carregam o peso de sustentar as suas famílias na sua terra natal.

Tive duas pessoas no meu grupo que me enviaram um e-mail a dizer que fazer parte do projeto é demasiado doloroso para elas, acontece que são da Arménia que está em guerra com o Azerbaijão e por isso tiveram de se afastar e não falar sobre isso, e eu respeito-o. Esta é a triste realidade.

Acha que o facto de algumas pessoas desistirem compromete o projeto?
Isso não compromete o projeto. Se eu fosse cruel, diria “Os meus dados estão todos arruinados, isto é realmente irritante”, talvez não possa usar as suas histórias, as suas fotografias, as coisas em que trabalhámos juntos durante quase três anos, talvez eles digam que não querem ver os seus dados publicado e esses são os seus direitos.

Para mim torna-se difícil, mas isso não é tão importante como o facto de estarem traumatizados. Há sempre riscos ao fazer este tipo de trabalho.

Muitas pessoas têm desistido do projeto? 
Sim, e isso tem em parte que ver com o Covid. Era suposto encontrarmo-nos com 12 refugiados em março, mas devido à quarentena, já não nos pudemos reunir para fazer o workshop; online nunca foi uma opção, porque eles vivem em campos e não têm acesso a computadores ou telefones nem à Internet. Acabaram por se afastar do projeto.

Mas penso que esta é também a história. Só tenho de escrever sobre isso.

Como arqueóloga, como pensa que o Covid irá afetar o processo de migração?
Houve um ponto no início da pandemia em que pensei “espantoso, isto é realmente fantástico”, no sentido em que conectaria a humanidade, o vírus não se importa se és o Donald Trump, o Boris Johnson ou um mendigo na rua, afetará todos igualmente.

Somos humanos e criamos divisões e hierarquias de classes, estas não são reais, mas o vírus é. Por isso, pensei que a pandemia nos ajudaria a emergir e a cuidar melhor uns dos outros, ou talvez mesmo a atrasar-nos, forçando-nos a fazer mudanças. Talvez fosse disto que precisávamos. Lembro-me na primeira semana de sentir fortemente como se a terra estivesse a ripostar.

Infelizmente, penso que agora estamos apenas de volta ao ponto em que estávamos. Parece que os ricos vão receber a vacina, mas vai demorar mais tempo para os pobres a obterem. Quando os ricos recuperarem a sua vida, a pandemia deixará de ser um problema. Infelizmente, essa é a cultura que predomina.

Então, acredita que para os migrantes tudo ficará na mesma?
Será pior para eles. Ficarão presos nos campos porque todo o processo de pedido de asilo parou. No Reino Unido, o vírus está a ser usado como desculpa para não processar esses pedidos, este governo não quer pessoas da Síria que eram lojistas ou proprietários de cafés, este país está feliz por ter pessoas asiáticas, desde que tenham muito dinheiro. Não quer mais pessoas que sejam apenas pessoas normais.

Tendo isso em consideração, o que pensa que poderia ser uma solução para integrar os migrantes? Ou mudar as mentes das pessoas que não concordam com a sua integração na sociedade?
Em termos de integração, precisamos realmente de reconhecer que enquanto as pessoas não conseguirem falar a língua suficientemente bem para conseguirem um emprego, não poderão ser auto-suficientes nem independentes. O que se encontra num campo é que, se as pessoas já falam um pouco de inglês, então querem praticar o seu inglês e ir para um país de língua inglesa. O caso de muitos africanos ocidentais é que falam francês, pelo que gostariam de ir para França. Faz sentido.

Na Suécia estão a fazer a integração muito bem, quando as pessoas pedem asilo recebem alojamento temporário e têm aulas obrigatórias de sueco e assim aprendem a falar sueco muito rapidamente. Este é o acordo, alojamento, e algum dinheiro para viver, mas é preciso aprender a língua.

Se fosse obrigada a deixar a sua casa de repente, o que levaria consigo?
Primeiro, levaria os meus filhos… Pensei sobre isto muitas vezes, gostaria de dizer algo como “Um armário que a minha avó me deixou” mas é profundamente impraticável, e depois gosto de pensar que levaria esta estante em tamanho de livro muito bonito que um dos meus colegas refugiados fez para mim, ele fez todos estes pequenos livros que vão nela, que são todos os meus livros favoritos, uma coisa linda…
Mas na verdade, tendo entrevistado pessoas e passado algum tempo com elas, levaria um kit de primeiros socorros, levaria definitivamente alguma compota britânica típica, um termo porque não posso viver sem café, meias, um bom par de sapatos para caminhar e tanto dinheiro quanto pudesse.

Eu faria as malas para sobreviver.

Alícia Gaspar

Licenciada em Estudos de Cultura e Comunicação pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, é editora do BUALA. Procura interligar vários tópicos de índole social contemporânea com a área digital, nomeadamente o racismo, o feminismo e a comunidade LGBTQ+. Atualmente encontra-se a concluir o seu mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias da Informação no Instituto Universitário de Lisboa - ISCTE.

Rachael Kiddey

É investigadora de pós-doutoramento da British Academy na Escola de Arqueologia da Universidade de Oxford. No seu projeto, Materialidades Migrantes, analisa o papel da cultura material em situações de deslocamento forçado contemporâneo na Europa (2018-2021). Rachael recebeu o seu doutoramento no Departamento de Arqueologia da Universidade de York em 2014. Este envolveu o desenvolvimento de metodologias para trabalhar arqueologicamente com pessoas sem-abrigo, documentando como a tradição pode funcionar de maneiras socialmente úteis e transformadoras. A sua monografia Homeless Heritage foi publicada pela Oxford University Press em 2017 e ganhou o James Deetz Book Award 2019 da Society of Historical Archaeology. Rachael Kiddey é Senior Common Room Member e College Advisor no St Antony's College, Oxford e membro da Sociedade de Antiquários de Londres.